O parque de Tun Mustapha (Malásia) e a área marinha protegida das Ilhas Derawan (Indonésia), na ecorregião marinha de Sulu Sulawesi, foram aprovados pelo Comité Diretor UE como áreas críticas para a restauração de corais, selecionadas pelo seu elevado valor de conservação da biodiversidade e de contribuição económica significativa para as comunidades locais, bem como para os mercados regionais e globais. Apesar dos desafios colocados pelas restrições de movimentos e encerramento de parques, devido à pandemia global, estão a ser elaborados planos de restauração e a ser revistos para implementação depois de várias rondas de consultas à porta fechada (muitas vezes virtuais) com as partes interessadas nacionais e locais.

Juntamente com os parques Sabah da Malásia e a Agência Marinha e das Pescas de Kalimantan Oriental, da Indonésia, serão desenvolvidas novas abordagens de restauração para estes locais, incluindo a utilização de montes de pedras e estruturas metálicas. Outras atividades planeadas incluem a sensibilização, o envolvimento das partes interessadas através de parcerias públicas e privadas e mudanças de comportamento para reduzir as ameaças, através do reforço da inclusão e do envolvimento das comunidades e das empresas locais (p. ex., operadores turísticos, centros de mergulho, hotéis, etc.) para reforçar a proteção a longo prazo dos seus recursos naturais.

Ao iniciarmos a Década da Restauração de Ecossistemas da ONU e a Década da Ciência dos Oceanos para o Desenvolvimento Sustentável em 2021, o Projeto de Governação dos Oceanos da UE está a apoiar uma abordagem científica na restauração dos ecossistemas com base em dois pilares de critérios e objetivos socioeconómicos e ecológicos. Juntamente com cientistas e técnicos especializados, os gestores dos parques e as comunidades do TMP e das Ilhas Derawan irão aprender vários métodos para a restauração de corais, partilhar os conhecimentos adquiridos e disponibilizar estudos de caso que possam ajudar a replicar e a escalonar o sucesso da restauração.