O Senegal, na África Ocidental, é especialmente dinâmico tanto em termos de desenvolvimento da resiliência costeira como de criação de áreas marinhas protegidas, seis das quais criadas nos últimos dois anos. A parceria de resiliência do Projeto de Governação dos Oceanos desenvolveu também nos últimos anos uma estreita colaboração com a sua direção das áreas marinhas protegidas comunitárias para assegurar a implementação da ferramenta de autoavaliação de resiliência (R-SAT) em todas estas áreas marinhas protegidas. Foi, portanto, uma escolha natural como local para o workshop anual de parceria de resiliência, realizado entre 3 e 5 de maio de 2022, em Saly, organizado pela direção das áreas marinhas protegidas comunitárias (DAMCP).

No seminário, os 14 participantes reviram o plano de trabalho anual, partilharam experiências das suas regiões e consideraram oportunidades futuras. Debateram sobre desafios e oportunidades relativamente ao desenvolvimento de novas ferramentas e à expansão do R-SAT a muitas outras MPAs interessadas em aplicá-lo. A reunião foi também a ocasião para debater a necessidade de formar formadores sobre a implementação do R-SAT para desenvolver a autonomia da direção na aplicação futura da ferramenta. Durante uma visita no terreno, tiveram a oportunidade de conhecer gestores de AMPs no Senegal, que utilizaram o conjunto de ferramentas para avaliar as capacidades de resiliência das AMPs.

 

Sobre a parceria de resiliência

A parceria de resiliência foi desenvolvida como um projeto de geminação entre gestores de AMPs em torno da Bacia Atlântica a partir de 2016. O seu objetivo é partilhar experiências, ferramentas e abordagens relativas a estratégias de gestão para lidar com ambientes em rápida mudança, e a contribuição das AMPs para a resiliência das zonas costeiras. Os parceiros principais estão situados no Gabão, no Senegal, no Brasil, em Portugal, no México e nos EUA. Foi também estabelecido um programa de trabalho com a rede de AMPs da África Ocidental (RAMPAO/WAMPAN) e com a DAMCP do Senegal.

 

A visita no terreno oferece a oportunidade de conhecer os utilizadores locais da ferramenta R-SAT

Durante uma visita no terreno a Joal Fadiouth – incluindo a importante cidade piscatória de Joal e a ilha de conchas de Fadiouth – os visitantes encontraram-se com pescadores para ver os tamanhos das capturas, visitaram obras de restauração de mangais e discutiram a experiência dos gestores de AMPs na utilização da ferramenta R-SAT.

“Todos os participantes puderam ver que a reação destes gestores foi particularmente positiva, especialmente porque as recomendações da avaliação começaram a ser implementadas nos meses seguintes à avaliação, e já produziram alguns dos resultados esperados. Os gestores destacaram a fácil utilização do R-SAT, bem como todas as vantagens que podem advir do processo de autoavaliação além dos resultados diretos da ferramenta”, foi observado no relatório do workshop.

Os resultados e as recomendações da reunião – que se concentraram na forma de melhorar a ferramenta R-SAT e dar mais apoio aos seus utilizadores – irão contribuir para uma atualização do plano de ação da parceria.

 

O sistema de áreas marinhas protegidas do Senegal, desenvolvido desde 1999, inclui atualmente 15 AMPs, cobrindo uma área total de 582 523 ha e protegendo 137 km da linha costeira de 700 km do país. Todas as áreas protegidas têm um plano de gestão.